SOBRE A ERVA-MATE

A utilização da erva-mate teve seu início com os índios tupi-guarani que habitavam a região sul do Brasil. Com a chegada do homem branco, o hábito de beber o mate foi se difundido. A bebida era plenamente integrada aos hábitos dos indígenas, que a utilizavam para matar a sede, diminuir a fome e revigorar as energias.

Anos mais tarde, a erva-mate passou a fazer parte do hábito diário do homem que habita os estados do Sul do Brasil. A planta é produzida em sua grande maioria no Paraná, mas há cultivo também no Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No final do século XX, pesquisas apontaram que o consumo moderado de erva-mate (em forma de chá ou no chimarrão) auxiliava na manutenção de bons níveis de colesterol, na elasticidade da pele e também na atividade do sistema nervoso central.

No mesmo período, foram intensificadas pesquisas que apontaram também os benefícios cosméticos do uso da erva-mate. Uma grande variedade de princípios ativos que fazem da erva-mate bactericida, antioxidante e antienvelhecimento.

Para se produzir os hidratantes, máscaras, shampoos e tônicos presentes na linha Seivailex é utilizado o extrato da erva-mate. Para se obter esse extrato primeiro é necessário macerar as folhas verdes de erva-mate. Nessa técnica a extração é realizada em um recipiente fechado, em temperatura ambiente, durante um longo período, sob agitação ocasional e com uso de solventes orgânicos.

O processo de extração é feito primeiro com a mistura das folhas de erva-mate e solvente, aquecido de 4 a 8 horas, dentro de um tanque de extração a uma temperatura adequada. O solvente misturado com as folhas e o extrato obtido são removidos do tanque de extração e separados por meio da separação centrífuga, filtração ou decantação.

O extrato obtido pelo processo descrito anteriormente apresenta cor verde-escura ou verde-marrom, em forma de pasta, tendo em sua composição clorofila, flavonóide, óleo, essência, aminoácido e ácido orgânico.